Open Access Peer-Reviewed
Editorial

Doença renal e calibração da dosagem de creatinina no Brasil: onde estamos?

Kidney disease and calibration of creatinine determination: where are we in Brazil?

Rodrigo Bueno de Oliveira; Gianna Mastroianni Kirsztajn; Flavio F. P. Alcântara

DOI: 10.5935/0101-2800.20150068

Citação: Oliveira RB, Kirsztajn GM, Alcântara FFP. Doença renal e calibração da dosagem de creatinina no Brasil: onde estamos?. Braz. J. Nephrol. (J. Bras. Nefrol.) 37(4):431. doi:10.5935/0101-2800.20150068
Recebido: Abril 24 2015; Aceito: Junho 01 2015

Recomenda-se que a creatinina sérica seja medida por kit específico com calibração rastreável em relação a padrões de referência internacionais a partir da metodologia IDMS (espectrometria de massa de diluição isotópica). De acordo com organizações envolvidas com programas de gerenciamento da qualidade de laboratórios, recomenda-se a monitorização rotineira do erro analítico total ligado ao método de dosagem da creatinina. E, finalmente, que os laboratórios forneçam a taxa de filtração glomerular (TFG) estimada por meio de fórmulas (CKD-EPI, por exemplo) juntamente com o resultado da dosagem da creatinina sérica.1

Essas recomendações visam tornar mais precisa a estimativa da TFG baseada na dosagem de creatinina, considerada como o parâmetro que melhor reflete o conjunto das funções dos rins.

Em termos práticos, quando as recomendações não são seguidas ocorrem distorções na avaliação da TFG e no julgamento clínico subsequente. Por exemplo, utilizando-se os vários métodos modificados a partir da reação de Jaffé, os valores da creatinina sérica podem ser subestimados naqueles pacientes que estão com bilirrubinas séricas elevadas, ou superestimados em até 20% em pacientes que se encontram em uso de cefalosporinas, devido a interferências analíticas.2 Possíveis consequências deletérias são esperadas nesses dois cenários, como diagnósticos incorretos de doença renal, ajuste inadequado da dose de medicações cuja excreção é renal, além de referenciamento tardio ao nefrologista.

No Brasil, desconhece-se qual é a proporção de laboratórios que seguem essas recomendações. Conforme consulta pessoal à Agência Nacional de Vigilância Sanitária [(ANVISA), protocolo 2014676521] e à Sociedade de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial [(SBPC/ML), serviço fale conosco], os dois órgãos não dispõem dessas informações.

De acordo com levantamento independente envolvendo 42 laboratórios consultados em diferentes regiões do País, 14 (33%) deles não utilizavam a metodologia rastreável a IDMS para medição da creatinina sérica (Alcântara FFP, 2010). Supomos que essa proporção seja ainda maior em cidades do interior do Brasil, considerando a larga disponibilidade de kits provenientes de fornecedores nacionais que não são apropriadamente calibrados para dosagem de creatinina. Acredita-se que laboratórios que não participam de programas de avaliação da qualidade possuam índices de erro analítico total além do recomendado.

Esse panorama torna-se preocupante por diversas razões. Primeiramente, a estimativa da TFG a partir da creatinina sérica é a base para o diagnóstico e a estratificação de pacientes com doença renal crônica (DRC) e lesão renal aguda (LRA). Além disso, a TFG é mais do que um indicador de função renal, ela tem relação direta com o risco de mortalidade cardiovascular e mortalidade global.1,3

Recentemente, o Ministério da Saúde da República Federativa do Brasil publicou lei que trata especificamente da política de atenção ao paciente portador de DRC.4

Nela, o diagnóstico de DRC e a estratificação do risco são baseados na TFG. Considerando-se que no Brasil existam 10 milhões de pessoas com algum grau de DRC ou mais, o encaminhamento e cuidados destinados a essa população podem ser negativamente afetados se baseados em dosagens inexatas da creatinina sérica.

O incentivo à padronização da dosagem da creatinina em todo o território nacional pode ser um instrumento útil no processo de diagnóstico e estratificação da DRC e LRA. Acreditamos que essa medida teria um papel importante na prevenção e redução da progressão da doença renal. Além disso, o fornecimento automático da estimativa da TFG quando o médico solicita a dosagem sérica de creatinina é um recurso que sensibiliza a detecção de déficit de função renal, expresso pela TFG.5

REFERÊNCIAS

Kidney Disease: Improving Global Outcomes (KDIGO) CKD Work Group. KDIGO 2012 clinical practice guideline for the evaluation and management of chronic kidney disease. Kidney Int Suppl 2013;3:1-150.
Stevens LA, Levey AS. Measured GFR as a confirmatory test for estimated GFR. J Am Soc Nephrol 2009;20:2305-13. DOI: http://dx.doi.org/10.1681/ASN.2009020171Link DOILink PubMed
Kidney Disease: Improving Global Outcomes (KDIGO) Acute Kidney Injury Work Group. KDIGO Clinical Practice Guideline for Acute Kidney Injury. Kidney Int Suppl 2012;2:1-138.
Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 389, de 13 de março de 2014 [citada 17 de fevereiro de 2015]. Disponível em: Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt0389_13_03_2014.html
Mastroianni-Kirsztajn G, Bastos MG, Burdmann EA. Strategies of the Brazilian chronic kidney disease prevention campaign (2003-2009). Nephron Clin Pract 2011;117:c259-65. PMID: 20861650 DOI: http://dx.doi.org/10.1159/000320741Link PubMedLink DOI

© 2017 All rights reserved